Vocação Religiosa

A vida do Dr. Carlo Brunetti, fundador do hospital, sempre esteve pautada na fé cristã e na caridade. Nunca deixou de acompanhar os avanços da Medicina, mas ressalta a presença de Deus no exercício da profissão: “Há médicos que têm a coragem de dizer que, sob a ação do bisturi, nunca encontraram nem a sombra de Deus. Eu, ao contrário, encontro-o a toda hora, em cada operação que faço”.

Desde que fundou o hospital, o Dr. Carlo Brunetti fez questão que a religiosidade estivesse muito presente no atendimento dos pacientes. Provas disso são os crucifixos que até hoje são encontrados em toda parte da instituição, a capela dedicada ao Sagrado Coração de Jesus, os capelães olivetanos que levavam o conforto da religião sempre que necessário, entre outros exemplos.

Em 1935, por intermédio do Padre Sylvestre Asconati, o fundador solicitou à Congregação das Filhas de Nossa Senhora do Monte Calvário, com sede na Itália, religiosas que lhe auxiliassem no atendimento dos pacientes e, mais tarde, na gestão do hospital.

Em 1947, o Dr. Carlo Brunetti transferiu oficialmente a instituição para a Congregação que, desde então, é a sua entidade mantenedora. Seu principal objetivo com o gesto de extrema generosidade foi eternizar sua obra, mantendo a vocação religiosa do hospital, o espírito de caridade, a atuação pautada nos valores morais e éticos e, principalmente, o atendimento humanizado.

Em 1959, o antigo Hospital de Caridade do Braz foi ba- tizado pela mantenedora como Hospital São José do Braz, como forma de evidenciar ainda mais seu caráter cristão.

Em 24 de maio do ano seguinte, o Dr. Carlo Brunetti faleceu após uma vida de intensa dedicação à saúde e à caridade. Em seu testamento, o médico destacou a gratidão “de ter podido solidamente encaminhar minha obra científica e humanitária do Hospital do Brás”. E foi além: “Queiram meus discípulos continuar as diretrizes por mim traçadas, dedicando-se com entusiasmo, consciência e generosidade, ao tratamento dos pacientes, aumentando, deste modo, a estima e reputação do instituto. Queridos colegas, agradeço-vos pela cooperação assídua e inteligente, que tendes prestado a minha iniciativa; continuai irmanados com bondade e sinceridade de ânimo, e colhereis fruto e satisfações de toda a espécie, em vosso trabalho profissional bem aplicado”.

Fonte: Prof. Dr. Carlos Brunetti (Padre Nicolau P. Rossetti). São Paulo: Paulinas, 1978.